terça-feira, 3 de novembro de 2009

Na busca da Iluminação

Na busca da Iluminação, uns podem obter êxito mais rapidamente que os outros. Portanto, não se deve desanimar ao ver os outros alcançarem a Iluminação primeiro. Um homem, ao se iniciar no esporte do arco e flecha, não deve esperar um rápido sucesso, deve, isto sim, praticá-lo pacientemente, até se tornar cada vez mais hábil. Um rio começa com um pequeno riacho e fica cada vez mais largo, até desembocar no vasto oceano. Como estes exemplos, se um homem treinar com paciência e perseverança, seguramente, obterá a Iluminação.

Como já foi dito, se alguém mantiver os olhos bem abertos, poderá ver em tudo um ensinamento, e assim, suas oportunidades para a Iluminação são infindáveis.

Certa vez, um homem, que estava queimando incenso, notou que sua fragrância não vinha nem ia, que não aparecia nem desaparecia. Com este pequeno incidente, ele pode obter a Iluminação.

Certa vez, um homem pisou em um espinho. Sentindo dor aguda e insuportável, assim pensou: que a dor é apenas uma reação da mente. Deste incidente, inferiu que a mente pode se perder, se mal controlada ou pode se tronar pura, quando bem controlada. Não demorou muito; tendo estes pensamentos, a Iluminação chegou até ele.

Era uma vez um homem muito avarento. Um dia, quando pensava em sua mente gananciosa, chegou à conclusão de que os pensamentos gananciosos nada mais eram que cavacos e gravetos que a sabedoria poderia queimar e consumir. Este pensamento foi o começo de sua Iluminação.

Há um velho provérbio que diz: “Conserve a sua mente equilibrada. Se ela for equilibrada, todo o mundo também será equilibrado.” Considere estas palavras e compreenda que todas as distinções do mundo são causadas pelos aspectos discriminadores da mente. Nestas palavras pode-se encontrar um caminho da Iluminação. E, na verdade, muitos e ilimitáveis são os caminhos para a Iluminação.

Extraido do livro A doutrina de Buda.


segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Um protesto silencioso contra a violência

"Protesto silencioso Thich Quang Duc, nascido em 1897, foi um monge budista vietnamita que se sacrificou até a morte numa rua movimentada de Saigon em 11 de junho de 1963. Seu ato foi repetido por outros monges. Enquanto seu corpo ardia sob as chamas, o monge manteve-se completamente imóvel. Não gritou, nem sequer fez um pequeno ruído. Thich Quang Duc protestava contra a maneira violenta que a sociedade oprimia a religião Budista em seu país. Após sua morte, seu corpo foi cremado conforme à tradição budista. Durante a cremação seu coração manteve-se intacto, pelo que foi considerado como quase santo e seu coração foi transladado aos cuidados do Banco de Reserva do Vietnã como relíquia."

É incrível as formas como o ser humano é capaz de reagir contra situações de abuso e desrespeito, a violência e o desrespeito sempre estão presentes, seja em um helicóptero da policia abatido, em uma faculdade por causa de uma roupa pouco discreta ou em uma prisão onde se denuncia que presos são torturados, mas todos somos humanos, os policiais do helicóptero, os bandidos, a moça do vestido rosa, os alunos da faculdade, tanto o dito "bom" quanto o "mal" tem em sua vida mães, esposas/maridos, filhos e amigos que irão chorar por eles, porque todos temos a capacidade de fazer o bem ou o mal, muitos são os caminhos que levam a um ou a outro, o mundo não está perdido, pois ele é vazio em sí, todo mal que aflige a nossa sociedade nasce dentro do ser humano, e se propaga por egoísmo, ambição, vícios e tantas outras delusões de nossa mente.
Ninguém quer a violência, mas muitos de nós xingamos nossos semelhantes no trânsito, agredimos pessoas que nunca vimos por causa de uma partida de futebol, ou as vezes somos grosseiros porque estamos nervosos, todos temos um grupo de pessoas que amamos e outro que odiamos, mas raramente nos lembramos que temos defeitos e que aqueles de que não gostamos tem lá as sua qualidades, queremos que o mundo melhore,mas ignoramos o mundo que existe dentro de cada um de nós, se ele não mudar, o que poderá ser feito a nível exterior?
Pode parecer utopia, mas se nosso mundo interior estiver em paz, qual será a motivação para matar, extorquir, agredir, enganar descriminar e tantas outra coisas mais?
A cada vez que me lembro da imagem da foto, do vídeo abaixo, fico indignado de haver tantas coisas erradas neste mundo e faço a unica coisa que penso poder fazer para melhorar, eu olho para dentro de mim e tento gerar ações que harmonizem com o meu desejo de ter paz, me lembro das palavras do Buda
"A paz vem de dentro de você mesmo. Não a procure à sua volta. "
No dia em que cada ser humano tiver o seu coração em paz o mundo não será palco de cenas fortes como a abaixo...
Paz e serenidade a todos




video